Vereador Joris Bento nega acusação de ameaça feita pela ex-mulher


08/04/2018 22h18 | Por: Redação/ maisteixeira

Após um boletim de ocorrência registrada na sede da delegacia da polícia civil de Teixeira de Freitas, por Mabya Carmo Xavier, na manhã do ultimo sábado 7 de abril, contra o vereador de Teixeira de Freitas, Joris Bento Xavier, o mesmo soltou uma nota nas redes sociais neste domingo negando a acusação

Veja a nota do vereador.

Olá amigos e amigas, é lastimável ter que vir a público para esclarecer uma questão pessoal, de vida íntima, e que envolve uma família constituída há 12 anos. Primeiramente, quero aqui prezar pela minha filha, um dos presentes mais valiosos que a vida me ofertou. Antes de mais nada, quero aqui esclarecer uma reportagem ao qual Mábya Carmo Xavier, que ainda carrega o meu sobrenome “Xavier”, pois a mesma permanece casada civilmente e litigiosamente comigo, relatou por meio de um boletim de ocorrência na Polícia Civil.

A verdade dos fatos é que a comunicante estava vivendo comigo e mantendo um relacionamento extraconjugal. Há tempos já desconfiava, mas, nada poderia ser feito sem provas concretas. Após uma discussão de casal, a mesma decidiu ficar dormindo em Teixeira, não sendo na casa de nenhum parente. A minha desconfiança aumentou e passei a investigar.

Na quarta-feira sentamos  para conversar sobre o nosso casamento, e ali foi decidido que não poderia jogar fora 12 anos de convivência, porque temos uma filha e uma história. Decidimos que não havia separação, e encerramos a proposta do divórcio que havíamos conversado inicialmente. Como de costume continuamos as trocas de mensagens e conversas por telefone.

Na sexta-feira, muito cansado e saindo de uma reunião com o vice-prefeito, resolvi passar na local onde a mesma estava ficando. Foi quando tive a plena certeza de que a mesma estava mantendo um caso com outro. Ao me deparar naquela situação fiquei muito nervoso, solicitei que a mesma abrisse a casa, mas ela não abriu. Então, liguei para os pais dela para que eles pudessem ser testemunhas do que estava presenciando.

Logo após a chegada dos pais, ela abriu a porta para que apenas a mãe pudesse entrar. Não tive acesso à casa, portanto não houve agressão física. Relatado pela mãe da mesma de que de fato havia a presença de um homem dentro quarto, o mesmo com sua presença não quis sair. Muito decepcionada, e envergonhada com a atitude da filha, a mãe decidiu retornar comigo para casa no mesmo carro, portanto, a mãe é testemunha de que não houve ameaça de minha parte a sua filha.

 

Por fim, como profissional formado no Jornalismo, penso que qualquer profissional dessa área tem que escutar ambas as partes, ser imparcial nos fatos que apresenta e não tendeciar para um lado por apenas se tratar de uma figura pública. Esse fato pessoal não muda a minha relação com os meus eleitores que me confiaram uma oportunidade no legislativo, vou continuar cumprindo o meu papel, serei a mesma pessoa que sempre fui comprometida com as minhas obrigações”.8

https://www.maisteixeira.com.br/ex-mulher-de-vereador-de-teixeira-de-freitas-registra-boletim-de-ocorrencia-apos-ser-ameacada-pelo-mesmo/