Repórter Viviane Moreira emite NOTA DE ESCLARECIMENTO sobre acusações e vídeo


14/09/2017 12h27 |

Fui tomada de surpresa no fim da tarde de terça-feira, (12), com a divulgação de um vídeo exposto em um grupo de Facebook,através de um perfil falso, onde supostamente ataco de forma desumana, gratuita e cruel uma criança de 09 meses.

Em respeito a familiares, amigos e leitores, venho esclarecer tal episódio, que tenho como um dos mais tristes e lamentáveis ocorrido por toda minha vida.

Jamais tive qualquer tipo de preconceito seja de qualquer natureza. A dor do preconceito, eu vivencio a cada dia, através de minhas escolhas pessoais, íntimas e ainda profissionais e jamais faria distinção de quem quer que seja.

Peço perdão a todos pelo fato de um momento de irracionalidade cometida entre duas pessoas que tinham relação de irmãos, tenha chegado a público de forma tão perversa e contraditória, e ainda, que o momento tenha sido usado por pessoas nefastas propagadores do mal, com único intuito de promover a desgraça alheia.

No mês de março, estive no Estado do Espírito Santo, em companhia de alguém que até então, fazia parte de meio seio familiar, devido ao laço de amizade que nos unia.

Por problemas de caráter pessoais e íntimos, começou-se uma grave, severa e triste discussão entre os envolvidos, nas imediações da cidade de Aracruz.

Agravados pelo álcool, o momento acabou chegando ao vergonhoso ponto de haver agressões verbais pesadas, mútuas, porém,em mesma medida e proporção de ataque e ofensas.

As palavras proferidas por minha pessoa no vídeo, vinham de um contexto anterior, onde fui também atacada, nas quase duas horas infindáveis de agressões e brigas verbais.

O momento,  ensejou o fim de uma relação de amizade de alguém que esteve presente nos piores e melhores momentos de minha vida, e deixou marcas profundas, diante da natureza mútua das agressões e do afastamento iminente após o ocorrido.

Logo após as imagens ganharem as redes sociais, cancelei meu perfil do facebook, devido às agressões e ameaças contra minha honra e integridade física, que sofri diante da postagem veiculada pelo perfil. Algumas agressões,  foram de tamanha magnitude, que haviam em seus comentários, um cunho mais preconceituoso e pejorativo do que apresentado no vídeo editado.

Naquele momento, eu fui julgada e condenada, não me restando pelo menos o benefício da dúvida. Eu que sempre tive uma conduta reta, me vi naquele momento acuada, julgada e crucificada por pessoas que sequer atentaram para o cunho de natureza política da expressão ao final do vídeo que questiona minha credibilidade enquanto profissional, e não o conteúdo ou conduta a mim atribuída nas imagens criminosamente maquiadas.

 O que seria uma discussão particular de amigos, embora a vergonhosa gravidade das ofensas entre os protagonistas do episódio, tomou-se uma proporção criminosa, com interesse em apenas ofender minha honra e minha retidão.

Na noite de quarta-feira, (13), um veículo de comunicação da cidade, divulgou tal vídeo e matéria. Na malfadada publicação, cujo repórter não teve a decência e coragem de assinar, e que teve o único intuito de me desmoralizar, e transparecer uma pessoa diferente ao que sempre fui, é relatado que a vítima das agressões, que seria um amigo particular, confirma que o fato ocorrido aconteceu há alguns meses, e que o mesmo perdeu o celular que continha o vídeo, e que o  aparelho possivelmente foi encontrado por alguém, e este alguém teria divulgado as imagens. Ainda de acordo com a publicação, a vítima, não quis comentar o assunto e não informa se tomou atitudes jurídicas.

Trago no meu coração a certeza que o vídeo que estava no aparelho perdido, trazia na íntegra, as mais de 02 horas da triste e vergonhosa discussão entre os envolvidos.

Tenho ainda maior certeza de tal fato, quando a pessoa apontada como única vítima, passados 06 meses do fato, não ter se pronunciado diante da justiça, nem exposto todo conteúdo da gravação para quem quer que seja.

Embora as relações estejam rompidas, o caráter e dignidade da outra pessoa envolvida, não permitiu que tomasse tal atitude, pelo fato do mesmo ter em sua consciência, que as agressões foram de ambos os lados em proporcional igualdade de acusações e xingamentos, e que o episódio só agravaria ainda mais a relação que rompeu-se de forma tão inesperada e cruel para ambos.

Ocorre, que o referido vídeo, foi criminosamente maquiado, cortado e editado, por aqueles que tiveram acesso ao mesmo após o celular ter sido perdido, de modo a transparecer e me pintar como um monstro cruel que ataca um pobre pai de família e sua filhinha indefesa de 09 meses de idade.

Atentando aos fatos, o vídeo CRIMINOSAMENTE alterado, ganhou as redes sociais através de um perfil falso de facebook, onde foi compartilhado ativamente por funcionários públicos e detentores de contratos com a prefeitura do município, e ainda, por agentes políticos do atual governo de Teixeira de Freitas.

É de conhecimento público, que atuo como repórter investigativa, denunciando fraudes em licitações e desvios de dinheiro público cometidos por agentes políticos de diversas prefeituras da região.

Há 03 anos denunciando políticos que roubam e tiram a dignidade e condições de acesso a serviços básicos à população mais carente, sofri toda sorte de ameaça, sendo certa feita, ao vivo em um programa de rádio.

O trabalho que realizo diante de minha profissão, tem incomodado os detentores do poder, que se acham acima da lei, e donos do dinheiro púbico que foram eleitos apenas para administrar em prol da população.

A divulgação criminosa do vídeo editado, teve o único intuito de abalar a credibilidade em minha pessoa e nas reportagens por mim realizadas. Tal afirmação é possível, e facilmente identificável, bastando para isso ver que a publicação do vídeo ao seu final pergunta “qual confiança que uma repórter assim pode ter”.

Neste momento, quero inclusive plagiar o Radialista Ramiro Guedes, que na publicação de sua coluna intitulada Nica da Liberdade 133, de forma digna, e imparcial, afirma o que já é de conhecimento público, que o vídeo foi postado “Por desafetos políticos de Viviane”. Ramiro Guedes, ainda declara que o que estaria em questão seria a veracidade do vídeo e não as matérias jornalísticas. E conclui com a seguinte frase: “ O resto é mágoa de quem se sente atingido”.

A Coluna Nica da Liberdade, é veiculada no próprio site que utilizando de inteira irresponsabilidade, divulgou o infeliz vídeo editado e a matéria onde tenta abalar minha vida profissional, familiar e emocional e ainda atenta, com tal publicação de um vídeo manipulado contra minha integridade física.

Quero deixar evidenciado que em nenhum momento qualquer pessoa do referido site entrou em contato comigo, nem por ligações telefônicas ou até mesmo por whatsapp como foi informado na matéria, e desafio os mesmos a provarem através de ligações ou mensagens originadas para meu aparelho.

O fato de denunciados em minhas matérias terem compartilhado o vídeo editado de forma criminosa, com interesses escusos, não tira, porém, o impacto que tal vídeo causou em toda sociedade e em minha vida.

Por esta razão, quero aqui pedir perdão. Perdão a minha família, aos amigos, e a todos aqueles cidadãos que se sentiram entristecidos e revoltados diante da exposição do maldito vídeo.

Perdão principalmente por ter revidado naquele momento as agressões, e não ter contido o ímpeto no calor da emoção da discussão encerrando o assunto, que traria com certeza menos dor, tristeza e exposição, e mais ainda, não teria servido como suporte para que gente desumana conseguisse manipular tais imagens ao ponto de transformarem tal vídeo em uma arma nociva e mentirosa contra minha pessoa.

A todos que me apontaram o dedo e me julgaram, sem conhecer o outro lado da história, que Deus os abençoe e que nunca, nenhum de vocês sejam vítimas de qualquer tipo de armação que lhes tire a paz e a paz de suas famílias como aconteceu comigo.

Aos que tentaram calar minha voz e minhas denúncias através de mentiras, deixo para vocês a certeza que as matérias investigativas continuarão e dessa vez, com muito mais força e frequência. Só a morte calará minha voz!

Deus conhece meu coração, meu atos e meus pensamentos, e por isso, tenho a firme convicção de que embora entristecida com tanta maldade contra minha pessoa, sei que Deus está do meu lado me sustentando. E em Deus espero minha justiça!