Lei Aldir Blanc mantém ativa cultura negra em M. Neto e proporciona, através do grupo de Capoeira Liberdade, oficina para confecção de berimbaus


30/09/2021 17h53 | Por: Redação/Fonte:BahiaExtremoSul

Apesar disso, esse fazer cultural é pouco valorizado na sociedade brasileira e muitas das vezes invisibilizado. Com a pandemia, muito da cultura negra ficou ainda mais restrita e desamparada.

A Lei nº 14.017 de 29 de junho de 2020, mais conhecida como Lei Aldir Blanc, deu fôlego para que muitos projetos culturais afro-brasileiros seguissem vivos, como foi o caso do grupo de Capoeira Liberdade de Medeiros Neto.

Com o intuito de manter viva a cultura afro-brasileira e a identidade do povo negro, foi realizada na tarde de sábado (18), na praça do bairro Aparecida em Medeiros Neto, a oficina para confecção de berimbaus ministrada pelo grupo de Capoeira Liberdade de Medeiros Neto-BA.

Fundado em 2021 pelo Mestre Calado (Luíz das Virgens Ferreira – “Luizão”), um ícone da cultura e preservação das tradições afro-brasileiras e africanas na cidade. O grupo de capoeira de Medeiros Neto é fruto de um desdobramento da Capoeira Liberdade de Alcobaça-BA tendo o Mestre Alegria (Nailton Farias Vieira) como seu fundador.

O berimbau ou hungu (africano) é um instrumento de corda trazido pelos angolanos e que se tradicionalizou na Bahia. Conhecido entre os angolanos como m’bolumbumba, e utilizado pelos quimbundos, ovambos, nyanekas, humbis e khoisan, este instrumento marca a história da luta, dança e ginga deste povo.

A oficina ainda foi marcada pela presença do Mestre Alegria (Nailton Farias Vieira), o fundador do grupo de Capoeira Liberdade de Alcobaça-BA; Mestre Nelsinho (Nelson Barbosa) de Nanuque-MG; pelos professores(as),Tizil (Renivaldo dos Santos) de Lajedão-BA; Nanica (Fabrícia da Silva Reis) de Itanhém-BA; Clebinho (Clebson dos Santos Vieira) de Itanhém-BA.

Durante a oficina estiveram também presentes alguns dos instrutores(as) de capoeira da cidade como Tikinho (Jarbas de Jesus Amaral); Arisco (Misac Rocha Teles); Wolverine (Fernandes Cândido de Souza Júnior); Paciência (Gustavo de Jesus Viana); Etiqueta (Caio Henrique Vieira Costa) e Elétrico (Gustavo Mares Vieira) de Acobaça-BA, além das crianças e adolescentes membros do grupo.

Também estiveram presentes no evento o diretor Municipal de Cultura, Mário Henrique Souza Silva, e sua equipe (Adárcio Moura, Tiago de Jesus, Alex Pereira e Fernanda Souza, que contribuíram levando a mensagem que a Prefeitura Municipal de Medeiros Neto, na pessoa do prefeito Beto Pinto, deixou aos capoeiras. Esteve presente também a vice-prefeita, Cida Boiadeiro. A Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Medeiros Neto fez a total cobertura do evento, estando presentes Edson Araújo, Ricardo Fonseca e Ray Ribeiro.

A oficina foi escolhida como contrapartida pelo grupo, sendo ministrada para os capoeiras da comunidade de Medeiros Neto a partir da compra de atabaques, caxixis (chocalho), vergas (caule da planta biriba), cabaças, cordas (fios de arame), camisas e máscaras personalizadas, e outros adereços e instrumentos usando os recursos da Lei Aldir Blanc. Na oficina, os alunos puderam aprender mais sobre o instrumento e manuseio, o fortalecimento da ancestralidade cultural, a valorização do ensino de capoeira e seus saberes, assim como a reafirmação dos laços do núcleo.

O grupo ministrante ainda visou o desenvolvimento e a perpetuação da capoeira enfatizando as suas contribuições para a formação cultural, étnica, cidadã e ética de cada aluno. Além da produção, eles também aprenderam o toque do instrumento sob a coordenação do Mestre Alegria (Alcobaça) e Mestre Calado (Medeiros Neto).

Durante toda a tarde as aulas foram voltadas para a produção e manuseio do berimbau com a produção de trabalho manual utilizando verga de biriba, corda de aço, cabaça raspada, courão e caro.

Um dos alunos, Adárcio Moura, conhecido como Baú, conta que foi uma grande experiência e que agora terá mais conhecimento para a atividade no que se refere à construção do instrumento. “Achei maravilhosa a experiência adquirida na oficina. Faço parte da capoeira e achei de extrema importância porque o berimbau é uns dos principais instrumentos da capoeira”, contou.

Latino, um dos capoeiras, ministra oficinas sobre musicalidade e atua em diversas apresentações culturais do grupo de Capoeira Liberdade de Medeiros Neto, seja na própria cidade e em todo o Brasil.

“Como o berimbau é o principal instrumento da roda de capoeira, é importante que os alunos conheçam melhor como é o instrumento e como é confeccionado. Isso os torna capazes de serem melhores instrutores no futuro”, afirmou o Mestre Calado (Luizão).

Segundo o diretor do Departamento Municipal de Cultura “a produção do berimbau é algo único, pois prioriza a manutenção de uma cultura ancestral, fundindo artesanato, dança, música, jogo, esporte e preservação das tradições negras na cidade de Medeiros Neto. A Prefeitura Municipal de Medeiros Neto, na pessoa do nosso prefeito Beto Pinto, externa total orgulho e apoio a este grupo, visto que resistir é fundamental para a continuidade de nosso povo preto”, ressaltou.