Diocese convida fiéis a participarem da celebração de Ramos


27/03/2021 14h06 | Por: Maisteixeira/Fonte Pascom

A Igreja Católica dá início neste Domingo de Ramos, 28 de março – a Semana Santa que se estende até o próximo domingo, dia 4 de abril – domingo de Páscoa.  A Semana Santa é o momento central da liturgia católica romana e é a semana mais importante do ano litúrgico, quando se celebram de modo especial os mistérios da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo.

PASCOM/Divulgação

Este ano, novamente, a vivência desse momento será diferente por causa das exigências sanitárias impostas diante do avanço da pandemia da Covid-19. Em nossa diocese, algumas cidades tiveram alteração dos horários nas celebrações para se adequarem ao toque de recolher imposto pelo decreto estadual. As celebrações serão antes do anoitecer, mais simples e com a presença limitada de fiéis por meio de agendamento no site da Diocese ou nas secretarias paroquiais. As medidas sanitárias de distanciamento social e o uso de máscara continuam obrigatório.

Card do Domingo de Ramos – Imagem: PASCOM/Divulgação

O Bispo de Teixeira de Freitas/Caravelas, Dom Jailton de Oliveira Lino presidirá a Missa de Ramos neste domingo (28), às 07h, direto da Catedral São Pedro, onde abençoará os ramos levados pelos fiéis. Aqueles que fazem parte do grupo de risco, deverão acompanhar a Missa transmitida pela PASCOM por meio Redes Sociais da Diocese.

Acesse a página e agende a sua participação na Missa do Domingo de Ramos.

Acompanhe a celebração de Ramos AO VIVO pelos seguintes meios e tenha os seus ramos abençoados:

YouTube: CLIQUE AQUI

Facebook: CLIQUE AQUI

O Domingo de Ramos ensina que seguir Cristo é renunciarmos a si mesmo

A Semana Santa começa no Domingo de Ramos, porque celebra a entrada de Jesus em Jerusalém montado em um jumentinho – o símbolo da humildade – e aclamado pelo povo simples que o aplaudia como “Aquele que vem em nome do Senhor”. Este domingo é chamado assim, porque o povo cortou ramos de árvores, ramagens e folhas de palmeiras para cobrir o chão por onde o Senhor passaria montado num jumento. Com isso, Ele despertou, nos sacerdotes da época e mestres da Lei, inveja, desconfiança e medo de perder o poder. Começa, então, uma trama para condená-Lo à morte. A liturgia dos ramos não é uma repetição apenas da cena evangélica, mas um sacramento da nossa fé, na vitória do Cristo na história, marcada por tantos conflitos e desigualdades.